Atendimento:
(11) 4108-1042
simonearrojo@simonearrojo.com.br
   
 
Aprendendo a Deixar em Paz tudo o que Amamos

Feche os olhos e sinta no seu Coração a frase: Deixe as pessoas que você ama em Paz!

Aprender sobre o “Saber” amar é uma das maiores experiências que eu tenho tido através dos trabalhos de Constelação Familiar/Sistêmica/Vidas Passadas.

Queremos sempre manipular o outro, o destino do outro em nome do amor. Queremos nossos filhos em paz do nosso jeito. Nossos pais felizes, do nosso jeito. Esquecemos que cada um tem o jeito deles, no momento deles, com as lições deles. Precisamos olhar para Nós mesmos.

Estive agora na Alemanha para um Seminário de 15 dias com o criador da Constelação Familiar Bert Hellinger. Ele tem 88 anos e sempre disse que: as pessoas que choram por outras ou sofrem com a doença de outras não sabem lidar com a própria dor, não com a dor do outro. Os 50 brasileiros e mais de 200 estrangeiros presentes nesse Seminário aprenderam na prática o que é isso, pois ele ficou doente e não pode comparecer ao Seminário. Outros docentes fizeram o trabalho brilhantemente e tão profundamente quanto o Bert. Era exatamente isso que ele queria. Que a constelação fosse, e estivesse, além dele, do mito. Muitas técnicas terapêuticas morrem junto com seus idealizadores porque ninguém tem coragem de ir além, evoluir e continuar evoluindo. O Bert também nos deu outra lição nesse Seminário: a nossa preocupação com ele, era nossa, e não dele. Famoso por frases fortes ele diz: toda preocupação, tem o desejo oculto de que o outro morra, assim...acaba a preocupação de uma vez por todas.

Amor tem outro olhar. Olhar e reverenciar a etapa de dor ou alegria do outro e anossa com consentimento. Sim!!! A dor é uma etapa a ser transpassada por quem passa. A borboleta só se torna borboleta através de algumas etapas que só podem ser vividas por elas. Quando interferimos no processo com dó da borboleta, a matamos.

Aí vive um grande dilema: o que fazer quando alguém nos pede ajuda? Que movimentos precisamos fazer para nos ajudar. Precisamos saber ajudar no limite do que aquela pessoa pode receber. Precisamos aprender a olhar sem pena, nem dó, com força, esperança e alegria pelas etapas a serem cumpridas e vivenciadas. Quem foge da dor, vive com ela.

Como é difícil deixar as pessoas que a gente ama em paz. Os mortos e os vivos. Eu vi uma cena espiritual uma vez de uma pessoa famosa que morre cedo e o tormento dos fãs chorando por dias, meses e anos. Essa pessoa não conseguia ficar em paz. Essas pessoas que choravam, choravam realmente por quem? Talvez por elas mesmas.

Também fui representante de um filho que havia morrido e só ouvia sua mãe chorar o tempo inteiro. Eu, no lugar dessa pessoa, não aguentava mais. Essa mãe chorava por culpa, toda mãe ilusoriamente sente culpa com o filho vivo também.

O trabalho de constelação nos leva a um lugar tão verdadeiro onde o mito não existe, onde as despedidas são normais e passageiras, ilusórias. Onde aprendemos que nossos filhos, empresa, animais de estimação, ideias e tudo o que críamos aqui são experiências vividas por nós e é só isso que vamos levar ou é... TUDO isso que vamos levar.

Olhar a vida a partir do nosso Centro Espiritual nos dissocia de tudo que queremos manipular, do nosso jeito. O presente está aí e sempre estará.

 

 
20.08.2017