Atendimento:
(11) 4108-1042
simonearrojo@simonearrojo.com.br
   
 
Como os animais “pegam” problemas do Sistema Familiar

Novamente estive na Alemanha com o Filósofo e criador da Constelação Familiar, Bert Hellinger. Uma das coisas mais importantes que ele fez e faz é nos ensinar um método de colocar a filosofia, a verdade e a espiritualidade em prática. Considero o único filósofo que fez isso.

Através dessa técnica em grupo ou individual, enxergarmos Tudo o que é possível vermos, para a harmonia e evolução da nossa consciência. Creio que ter e buscar consciência da consciência é o objetivo maior da nossa existência, a compreensão espiritual dos fatos da nossa vida.

Atuo como Facilitadora e fico impressionada em ver isso na minha própria experiência também.

Dessa vez, vou contar uma história pessoal. Antes de viajar, meu cachorrinho de 16 anos estava tendo tosses noturnas constantes e que dava a impressão de que ele iria  morrer. Minha mãe, sabendo disso, associou os sintomas do cachorrinho ao problema cardíaco do pai dela, meu avô, que faleceu muito jovem com problemas cardíacos. Quando ela me falou isso, pensei, meu cachorrinho está me mostrando algo ou “pegando” coisas do meu sistema familiar. Levei-o ao veterinário e ela me disse que realmente ele estava com um problema cardíaco gravíssimo, pela idade, e que não havia o que fazer a não ser tomar os remédios e aconselhou um especialista. Marquei um veterinário cardiologista, mas, antes fiz uma constelação com o grupo que ministro curso  de formação. Aliás, agradeço profundamente a eles pela oportunidade.

Para montar a constelação, escolhi alguém para ser meu cachorrinho e me coloquei diante dele. Ela, no lugar do cachorro dizia: estou com muito mal estar, passando muito mal e olhava para baixo. Isso, em constelação familiar, significa olhar para um morto. Coloquei meu avô, que faleceu com esse problema. Quando o representante do meu avô entrou, dizia: estou muito longe disso. Resolvi colocar uma pessoa para ser minha avó, que está viva, tem 90 anos mas vive dizendo que quer ir embora encontrar meu avô. Meu cachorrinho tem muita ligação com ela. Quando coloquei alguém para representa-la (avó), ela se virou, querendo ir com meu avô e meu cachorrinho olhava para ela. Fiz os movimentos necessários com a frase: Deixe isso com eles, você vai ao seu tempo, por você mesmo. Não por mim, nem pela minha mãe, nem pela minha avó. Você fica fora disso.
A pessoa que estava representando o meu cachorrinho disse que se sentia melhor e aliviada. Enfim, terminei a constelação muito feliz. A partir daquela noite, ele não teve mais crise nenhuma. Dias depois, levei o ao cardiologista para fazer um ecodoppler. E expliquei que ele tinha crises durante a noite e disse o que a outra veterinária havia dito. Durante o exame, ele ficou quietinho, coisa rara de acontecer. A cardiologista falou: ele não tem nada! Tem um coração com probleminhas normais para a idade dele mas, nada demais! Disse que o problema dele poderia ser tosse de traquéia, já que os malteses tem a traqueia mais estreita.

Fico feliz que até hoje ele nunca mais teve crises e eu nunca mais acordei achando que ele estava morrendo do coração. Minha família vivenciou isso com o meu avô. Foi um trauma que estava atuando ainda na alma da minha família e percebo como esses animaizinhos tão maravilhosos nos mostram ou tentam amenizar nosso sofrimento também.

Estou escrevendo isso com ele no meu colo e espero que através dessas palavras muitos outros animais sejam aliviados e libertos de tomar para si, problemas de seus donos.

 
20.08.2017